0
Categoria: Inquietação

Teoria da adaptação ao caos

É verdade que todo ser humano espera (ou deveria esperar sempre) o melhor desta vida. Este é o erro: esperar. Muitos dos sonhos e projetos das pessoas simplesmente não acontecem por esse motivo: algumas até possuem interesses e inconformidades com o status quo, mas a grande maioria sempre espera acontecer algo para começarem as mudanças.

E nesse compasso de espera por Aquele estranho dia que nunca chega, torna-se visível como é impressionante o defeito humano de se adaptar ao que lhe incomoda. E aí mora o problema: começar a achar normal e se sentir confortável com os problemas já existentes enquanto o dia das mudanças torna-se cada vez mais distante.

Quem nunca protelou um problema por alguns dias, como um vazamento no sifão da pia?  Ou adiou por meses uma ida ao médico por uma dorzinha incômoda no joelho após jogar futebol?  Quem nunca adiou por anos, pintar o portão enferrujado de casa?

Todos os dias ouvimos falar de relacionamentos onde já não existe mais o amor. E o comodismo está ali, não permitindo nenhuma das duas pessoas serem livres para buscarem experiências mais satisfatórias.

É certo que algumas pessoas sequer se importam com isso e vão levando suas vidas sem questionarem nada ao seu redor, aceitando tudo o que acontece com um mantra do tipo “A vida é assim mesmo”. Mas o ponto onde quero chegar é o porquê de muitas pessoas não fazerem nada em relação a tudo que as incomoda; talvez até por anos.

É o medo do novo: medo da mudança ser pior, trazer mais dor ou simplesmente por pura preguiça. Muitas vezes, apenas viver e não fazer nada dá a ilusão de que os problemas vão desaparecer.

Mas eles estão ali, talvez quietos neste momento, como uma pequena erva daninha. Mas tenha certeza que um dia elas irão cobrir toda a sua casa. Ou aquele barulho estranho no carro que vamos deixando estar por meses. Até que um dia o carro para no meio do nada, de noite, num local distante e sem sinal de celular.

Muita gente encara os revezes como azar. Não existe azar, existe falta de ação, falta de pensamento. Falta de energia. Falta de reação.

Falta de um limiar da dor. Uma insatisfação extrema com o problema em questão. Faltam-lhe aquele momento onde dizem “chega” e, com todas as suas forças, vão mudar aquela situação em questão de uma vez por todas. Mudar algo para aquilo nunca mais acontecer, ou mudar as coisas para conquistar um sonho. Saem da mediocridade e se atrevem a viver de verdade ao invés de apenas sobreviverem.

“O ser humano é essencialmente desadaptado ao mundo. Não existe um único habitat que lhe seja absolutamente natural.”
Psicanalista Jorge Forbes, presidente do Instituto de Psicanálise Lacaniana

Existem alguns animais na natureza que somente vivem em certas condições climáticas, de temperatura, alimentação e região. Já o ser humano é potencialmente a espécie mais adaptável no mundo.

Como não há local específico para ele, todos os locais podem potencialmente serem habitados por ele.

E inicialmente, após uma certa mudança, há as comparações: “Antes estava diferente, o gosto disso não é bom, essa cor é melhor, prefiro o outro”.

Haverá sempre um estranhamento ao primeiro momento e você o supera se dá uma chance ao novo, se há curiosidade. O medo é inibidor da curiosidade, é uma recusa frente ao novo.

Viva o novo.

A necessidade de adaptação é a capacidade de reinvenção diária.

Tags:

0 Comentários